Tecle ENTER para pesquisar ou ESC para sair

NOTÍCIAS

11 de março de 2022

Alunos da Escola SESI apresentam projetos em Feira Científica da USP

Escola SESI Iniciação Científica SESI

20ª edição da Febrace será realizada entre os dias 14 e 26 de março, em formato virtual.

Alunos que participam do programa de Iniciação Científica da Escola SESI vão apresentar seus projetos na 20ª edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), que acontece entre os dias 14 e 26 de março, em formato virtual. Considerada um dos principais eventos científicos pré-universitários do Brasil, a feira é promovida anualmente pelo Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI) da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP).

Os projetos finalistas da Febrace são nas áreas de ciências da natureza, ciências humanas e linguagens, desenvolvidos por estudantes das cidades de Barreiras, Feira de Santana, Salvador e Vitória da Conquista. “A participação da Escola SESI na Febrace vem crescendo ao longo do tempo e isso é resultado do nosso programa de Iniciação Científica, que reúne alunos de diferentes regiões do estado”, destaca o gerente de Educação Científica e Tecnológica do SESI Bahia, Fernando Moutinho.

Estudantes de Barreiras participam da Febrace pela segunda vez. Foto: Arquivo pessoal.

Escola SESI Ignez Pitta de Almeida

As estudantes Maria Eduarda Prates Brandão, Ana Luiza Nogueira Oshiro e Sarah Fernandes de Oliveira, da Escola SESI Ignez Pitta de Almeida (Barreiras) participam da Febrace pela segunda vez. O projeto delas, Pastilha Filtrante de Moringa Oleífera, também foi apresentado no evento científico em 2021. A pesquisa surgiu a partir da preocupação das jovens diante da realidade de comunidades da região onde moram, que não têm acesso a água potável para consumo. Atentas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU e pensando em mitigar o problema enfrentado por essas comunidades, as estudantes desenvolveram a pastilha e avaliaram seu potencial para o tratamento da água.

Escola Sesi José Carvalho

Em Feira de Santana, a estudante Escola Sesi José Carvalho, Marla Dias Silva, vem se dedicando ao projeto Antioxidante para o tratamento da catarata. A proposta da pesquisa é desenvolver uma substância antioxidante capaz de retardar o envelhecimento do cristalino, que provoca a catarata. A doença, que provoca visão turva e, em alguns casos, até cegueira, é muito comum no Brasil, atingindo mais de 50% da população acima de 40 anos. Para desenvolver o projeto, a jovem tem pesquisado sobre a anatomia do olho humano, a oxidação da proteína do cristalino e a ação dos radicais livres nesta estrutura, que é conhecida como a lente do olho.

Também em Feira de Santana, os estudantes Astor Rodrigues Minho Souza e Luiz Henrique Leite dos Santos desenvolveram o projeto Como extrair o ouro do lixo eletrônico de maneira mais eficaz e consciente, em que pesquisaram uma forma mais ecológica e economicamente viável de separar o ouro presente no lixo eletrônico. Os alunos também tinham como objetivo conscientizar a população, através das redes sociais, sobre o descarte correto do lixo eletrônico, além de informar sobre postos de coleta especializados.

Escola SESI Djalma Pessoa

Outro projeto na área de ciências da natureza é desenvolvido pelo estudante Felipe Silva Sacramento, da Escola SESI Djalma Pessoa (Salvador), que pesquisou o potencial de extratos da folha do araçazeiro para combater a proliferação do mosquito Aedes Aegypti em recipientes de água parada. O projeto Avaliação do potencial tensoativo, larvicida e antibacteriano dos extratos vegetais da folha do araçazeiro (psidium sp.) No combate à proliferação do mosquito Aedes Aegypti em recipientes de água parada analisou flavonoides, ácidos fenólicos e saponinas presentes na folha do araçazeiro.

Escola SESI Reitor Miguel Calmon

Alunos de Salvador vão apresentar o projeto Cosmetologia Verde. Foto: Arquivo pessoal.

Outros dois projetos de Salvador, da Escola SESI Reitor Miguel Calmon, estão na Febrace. Com o projeto Cosmetologia Verde, os estudantes Leonardo Simões Bispo, Laryssa Fortuna Nogueira e Gabriel Sapucaia Carvalho buscaram desenvolver um creme hidratante utilizando licopeno extraído de tomates orgânicos. A ideia surgiu por conta do uso constante do álcool em gel (70%), em decorrência da pandemia de Covid-19, que pode provocar o ressecamento e desidratação da pele.

Alunas da Escola SESI Reitor Miguel Calmon buscaram desenvolver uma ferramenta para apoiar estudantes na rotina de aprendizado. Foto: Arquivo Pessoal

Já as alunas Lays Verena Silva de Santana e Maria Antônia Queiroz Barbosa de Andrade se preocuparam com o impacto do isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 no desempenho dos estudantes. Com o projeto Estudante apoia estudante: uso de uma rede social como ferramenta educativa no ensino remoto emergencial, elas buscaram desenvolver uma ferramenta, através de uma rede social, para apoiar e incentivar estudantes na rotina de aprendizado.

Escola SESI Anísio Teixeira

Da Escola SESI Anísio Teixeira, em Vitória da Conquista, as estudantes Ana Clara Pinheiro de Almeida e Mariana Santos Oliveira decidiram pesquisar o desenvolvimento do Instituto Butantan, criado por conta da crise sanitária provocada pela peste bubônica. Para isso, elas identificaram e analisaram documentos históricos relacionados à instituição, especialmente a coleção de publicações do médico e cientista Vital Brazil.

Também da Escola SESI do sudoeste da Bahia, a estudante Thainá de Deus Lima vai apresentar, na 20ª edição da Febrace, o projeto Análise da modalidade de ensino híbrido visando a inserção no sistema educacional brasileiro.

Sobre o programa de Iniciação Científica da Escola SESI

O programa de Iniciação Científica é um dos diferenciais do ensino das escolas da Rede SESI Bahia de Educação e tem como objetivo promover o protagonismo dos estudantes na construção do seu conhecimento através da pesquisa científica, estimulando a criatividade, empreendedorismo e inovação. Aproximadamente 500 estudantes participam do programa, em escolas da capital e do interior. E este número vai aumentar em 2022, com a extensão do programa para estudantes do ensino fundamental. A perspectiva é criar cerca de 15 novos grupos de pesquisa nas diferentes áreas do conhecimento: ciências da natureza; engenharia, matemática e tecnologia; ciências humanas e linguagens.

Notícias relacionadas

EN PT