A+ A-

Notícias

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021

COVID-19: Supercomputador utiliza dados para analisar exames e comportamento da pandemia

Projeto sediado no SENAI CIMATEC é realizado em parceria com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e a Repsol Sinopec Brasil.

AIRIS_640.jpg

Supercomputador AIRIS analisa milhares de dados com velocidade para prever comportamento da pandemia. Foto: Divulgação SENAI CIMATEC.

A ciência de dados tem sido fundamental nas projeções sobre cenários da COVID-19. Desde o início da pandemia, o Centro de Supercomputação do SENAI CIMATEC, em parceria com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e a Repsol Sinopec Brasil, criou um projeto que utiliza tecnologias desta área para a simulação de cenários e análises preditivas sobre diferentes medidas de contenção da epidemia.

O projeto, criado entre os meses de abril e agosto de 2020, utilizou bases de dados públicas e privadas, e resultou em duas aplicações: Apoio ao diagnóstico de Covid-19 através da identificação automática de anomalias em exames de Raio-X e Tomografia Computadorizada de tórax; Análise preditiva e simulação de cenários sanitários (quantidade de casos confirmados e óbitos) e econômicos futuros, de curto prazo, considerando diferentes medidas de contenção da pandemia de Covid-19. Os dados estão disponíveis em https://covid19.fieb.org.br/dashboard.

Para tanto, foram integrados, tratados e processados dados provenientes de mais de 130 países, 880.000 amostras e 50.000 exames, somando cerca de 360 GB de dados clínico-epidemiológicos. Também foram utilizados dados econômicos fornecidos por Secretarias de Fazenda de 12 Estados do Brasil e dados de mobilidade urbana a nível nacional.

A acurácia para classificação de COVID-19, utilizando os modelos de IA desenvolvidos pelo projeto foi de 94% para exames de Raio-X e 77% para exames de Tomografia Computadorizada. Um exemplo de IA e a computação de alto desempenho à serviço da sociedade.

Equipe - O projeto, realizado por pesquisadores, profissionais e estudantes de diferentes níveis e áreas de formação, contou com a consultoria do médico infectologista Dr. Roberto Badaró, pesquisador líder do Instituto SENAI de Inovação em Saúde, e de economistas do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (Cidacs) e Fiocruz. A equipe de Inteligência Artificial foi liderada pelo Dr. Erick Giovani Sperandio Nascimento, responsável pelo Centro de Referência em Inteligência Artificial do CIMATEC. O projeto também contou com a colaboração da HP, que cedeu pesquisadores do Laboratório de Computação Visual e Inteligência Artificial (HP ViaLab) do CIMATEC para contribuir com a pesquisa, construção e desenvolvimento dos modelos.

Ao todo o projeto envolveu 31 pesquisadores, 9 instituições e gerou 5 projetos de pesquisa. O projeto também participou do desafio HC USP Nacional ficando em 5º lugar nas pesquisas com TC e 9º lugar nas pesquisas com Raio-X.

O projeto foi financiado com recursos do SESI/SENAI e da ABDI, obtidos através de edital público.